Archives

Karen Akerman e Pedro Bronz comentam sua premiação conjunta do Grande Prêmio de Cinema.

04.SET.15 | Na noite do dia 1º de setembro, durante o 14º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, sete associados da edt concorriam aos dois prêmios de montagem da noite nas categorias de longa-metragem ficção e documentário. Os premiados foram dois deles: Karen Akerman e Pedro Bronz.
Karen levou o troféu Grande Otelo de melhor longa-metragem de ficção por “O Lobo Atrás da Porta” (grande vencedor da noite) e Pedro pelo documentário “A Farra no Circo”. Ao subirem juntos ao palco, os dois fizeram menção à importância da edt. e aos outros associados indicados ao prêmio. Pedro dedicou sua vitória aos colegas da associação.
Além da emoção por receber os prêmios, o fato de serem sócios da produtora Pela Madrugada e amigos de longa data tornou a noite ainda mais especial. Karen e Pedro nos falaram exclusivamente sobre essa parceria, a noite de premiação e, claro, sobre os filmes laureados.
Karen relembra o início da parceria:
“Pedro Bronz é meu amigo desde criança, e há 15 anos atrás, movidos por uma paixão irracional pelo cinema, decidimos abrir a produtora independente Pela Madrugada. Naquela época éramos ainda aprendizes de montagem, e já entusiasmados cineastas amadores. Pedro encaminhou-me, simultaneamente, para o mundo marginal, artesanal e subterrâneo do super-8, e para o mainstream das máquinas eletrônicas não lineares de edição. Para aprender o Avid, eu passava madrugadas vendo o Pedro montar trailers de filmes B pornôs. Para introduzir-nos ao cinema, cortávamos juntos aqueles micro quadros de película em visionadeiras manuais.
Passam-se 15 anos. Filmes são realizados e filhos nascem, e de repente, em meio a uma confusa mise-en-scene no palco do Odeon, os nossos nomes “Karen Akerman e Pedro Bronz, Prêmio de Melhor Montagem de ficção e Melhor Montagem de documentário”. Subimos juntos ao palco e ouço – submersa na zonzeira da timidez diante da multidão atenta – gritos esparsos: “Pela Madrugada!” A forte emoção embargou a voz.
O meu trabalho em “O Lobo Atrás da Porta” também é uma situação decorrente de uma sólida amizade. Fernando é um parceiro com quem compartilho uma sintonia criativa muito frutuosa. Trabalhar neste contexto é um luxo, principalmente quando, para além de ser um grande amigo, é um diretor que pesquisa intensamente e prepara seus filmes com tamanho rigor.
Uma licença brega: apesar de ter a consciência de que os prêmios são perfumaria, aquela noite do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro foi (para mim) uma exaltação pública do amor e admiração que sinto por estes dois queridos amigos.”
Segundo Pedro, a premiação foi duplamente especial:
“Primeiro por receber um prêmio que é dado pela própria classe cinematográfica. E depois por receber esse prêmio ao lado de minha amiga/irmã/sócia/companheira de vida, a pessoa que eu mais conversei sobre cinema e principalmente montagem. Cometemos juntos os maiores erros e acertos cinematográficos e eis que me vejo catapultado para o palco ao lado dela, por projetos diferentes, mas juntos. Foi tudo muito rápido e na hora não entendi nada….a ficha ainda tá caindo, mas parece que dessa vez acertamos. Que venham os próximos erros!!!!
Alguns pilares nortearam a montagem do filme “A Farra do Circo”. O primeiro era o que chamamos de “tempo presente”, não existia passado, nem futuro. A ideia era dar a sensação de um filme que estava sendo feito na hora, na época, com os “recursos técnicos” que existiam quando as imagens foram produzidas, e com reflexões nada distanciadas de todo o turbilhão de acontecimentos que essa turma produziu. Um filme quente. Outra intenção era fazer com que o espectador se sentisse dentro do Circo Voador da época, vivenciando o que era estar num show. Para isso trabalhamos muito com os tempos mortos, os “nadas”, os vazios que aconteciam entre as perfomances, as improvisações…..  a espera da banda que não entrou no palco, o equipamento que não funciona, o artista que não veio….   Essas imagens/momentos que podem ser facilmente descartadas num primeiro momento foram os nossos principais recursos para dar esse sentido ao longo do filme.  Tivemos também a preocupação, sem perder uma narrativa que conduz a história, de compartilhar com o espectador a sensação de estar visionando o que chamamos na montagem de “Material Bruto”, ou seja, o material não editado, “não cortado”. Investindo no sentindo através da força interna de cada plano, mais do que na justaposição de imagens.”
A edt. parabeniza os dois colegas e agradece pelo discurso feito publicamente.

Associados edt. agora têm desconto na livraria Blooks

18.JUN.14 | A Comissão de Benefícios da edt. adquire um novo parceiro: a livraria Blooks (no Espaço Itaú de Cinema, em Botafogo). Os associados edt. têm 10% de desconto em qualquer livro, CD ou DVD, basta apresentar sua carteirinha de sócio e estar em dia com o pagamento das trimestralidades.

Confira aqui todos os benefícios disponíveis aos associados.